quarta-feira, setembro 19, 2007

Rua Siqueira Campos


Aberta em terras doadas por José Martins Barroso, dava saída ao túnel aberto em 1893 para a passagem do bonde, tornando-se via de acesso à Copacabana. Reconhecida em 1894, pela Municipalidade, recebeu o nome de Rua Barroso.

Esse logradouro foi o primeiro, no bairro, a receber uma linha de bonde. A estação foi construída na esquina da Av. Copacabana, em frente à Praça Serzedelo Correa, onde hoje está o Centro Comercial de Copacabana. A foto de Malta, de 1921, mostra essa esquina.

Pelo recenseamento de 1920, havia na rua 150 construções, sendo 54 térreas, 73 sobrados e 23 de três pavimentos. Até 1930, as construções ficavam nas quadras próximas à praia. Com a valorização do bairro, as construções expandiram-se.

Em 1931 teve seu nome mudado em homenagem ao 1ºTenente Antonio de Siqueira Campos, um dos lideres da revolta de 5 de julho de 1922. É que o grupo conhecido como «os dezoito do Forte», liderados por Siqueira Campos, depois de abandonar o Forte de Copacabana, caminhou pela Av Atlântica até a esquina da Rua Barroso onde estavam as tropas enviadas para abafar a revolta. A foto de jornal documenta a caminhada em que não aparece Siqueira Campos, adiantado do grupo. Da areia, entricheirados no paredão, ofereceram combate, sendo quase todos mortos, restando vivos apenas Siqueira Campos e Eduardo Gomes. Siqueira Campos viria a falecer em acidente aéreo quando retornava ao Brasil para participar da Revolução de 1930. Eduardo Gomes, iniciador do Correio Aéreo Nacional, chegou ao posto de Brigadeiro da Força Aérea Brasileira.


4 comentários:

Francisco Carlos Pereira disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Francisco Carlos Pereira disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Francisco Carlos Pereira disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Francisco Carlos Pereira disse...

Prezado Brack

Parabens por apresentar trabalho de nível profissional qie nada fica a dever ao do Marc Ferrez quando iniciou seu caminho . Parabens ao Antonio Carlos pela oportuna descoberta que nos abriu o mundo do seu trabalho , e também boa parte do seu mundo .
Não tenho a ousadia de fazer comentários , pois o sentimento de admiraçâo é único . No máximo algumas modestas informações , a começar pela tentativa de reparar o desconhecimento em que ficou cercado o único personagem civil :
Octávio Correia , amigo pessoal de Siqueira Campos e de Rosalina Lisboa , mais tarde Larraigotti . Herdeiro da maior fazenda de criação de Quaraí , no Rio Grande do Sul , acostumado a passar longas temporadas na Europa ,ao ver seus amigos passarem em frente ao " Mére Louise " juntou-se a eles e recebeu de Siqueira um fuzil eo último pedaço da bandeira nacional que pertencera ao forte e que era destinada a Euclides Figueiredo . E Octavio , foi o primeiro a morrer.
O coronel Nepomuceno , comandante das tropas legalistas ao ver a marcha dos " 18 do forte " acreditava que eles caminhavam para se entregar , tal a desproporção das numérica das forças opostas .
Desculpe estas sugestões , mas a intenção é de , apenas , reconhecer o seu trabalho que , desejo , continui a nos brindar com estas maravilhas .
Obrigado .
Cascardo